A PRÁTICA NA REABILITAÇÃO NEURO PSICOLÓGICA


A observação é primordial para compreender o que está acontecendo e perceber o que funciona com cada pessoa que tem suas funções neurológicas e cognitivas comprometidas. O sistema nervoso é mais plástico durante o desenvolvimento. Durante toda a vida, passa por mudanças em sua estrutura e funções.


O Sistema Nervoso Central (SNC) é capaz de se modificar de acordo com os aprendizados e experiências de vida em qualquer direção, saudável ou não. Essas mudanças ocorrem nos processos de aprendizagem, sejam eles motores ou funcionais.


A capacidade do cérebro de se reorganizar é reconhecida observando os órgãos dos sentidos. As pessoas surdas, por exemplo, desenvolvem maior acuidade perceptiva na visão de maneira automática.


Os profissionais da área da Neuropsicologia têm a neurociência como uma das referências para compreender o que está acontecendo com o cliente. E são qualificados para auxiliar o cliente a retomar sua autonomia e/ou sua independência quando possível. No mínimo, ser capaz de conviver com as dificuldades decorrentes de um mal funcionamento cerebral.


O intuito é de possibilitar que a pessoa alcance o melhor nível de competência possível em suas tarefas do dia a dia, seja de caráter sensorial, motor, cognitivo, emocional ou social. Observando o que faz parte da individuação de cada pessoa e do seu habitat de uma forma ampla. O neuropsicólogo pode orientar as pessoas de sua convivência quanto aos cuidados direcionados à saúde física também.


Minha mãe, de 94 anos de idade, mora comigo há 6 anos. Desde os 76 anos eu levava seu almoço em sua casa, ou a trazia para almoçar na minha, de acordo com a vontade dela. Quando completou 78 anos, um dos meus filhos estava cursando Comunicação Social e iniciou a criação de um produto de propaganda regional para três bairros, intitulado "Guia Bolso". Levou um computador para um dos quartos do apartamento dela e fez um trabalho acadêmico, criando um produto que deu retorno financeiro enquanto era aluno da graduação. A partir desse momento eles vinham almoçar juntos e, muitas vezes, ela só vinha com a promessa de voltar logo após o almoço. Resistência compreendida, pela eminência de quem estava caminhando para morar com alguém, enquanto acontecia os rearranjos dos cuidados necessários com saúde e horários dos remédios... A partir dos 80 anos alguns netos se revezaram por dormir na casa dela. Quando o esquecimento do jantar dentro do micro-ondas começou a se repetir, veio em definitivo para o quarto que já era dela em minha casa e ia passar a tarde no apartamento quando a saudade aumentava. Esse processo gradual e respeitoso foi possível com o envolvimento de toda a família (5 filhos, 22 netos e 11 bisnetos).


É necessário observar e entender que quando existem queixas, estas têm uma função. Informar que algo precisa mudar para construir o bem-estar. A história é bem parecida com o exemplo do vídeo do Dr. Dráuzio Varella. Queima panela, esquece o jantar no micro-ondas, passa do ponto de ônibus que precisaria descer, começa os trabalhos manuais que fazia e não consegue terminar. Não toma os remédios regularmente. Tem momentos de extrema lucidez e momentos “sem noção”. E nesse estágio é preciso observar como ajudar a manter a autonomia e a independência.


Por exemplo, geralmente o banho não é desejado. Mas, tem uma história que, quando criança ia tomar banho com a prima e as duas gastavam a água da tina jogando na parede para ver que figura formava, como um homem no cavalo, entre outras formas.


Todas essas histórias que conta com prazer são usadas para tornar o dia a dia mais harmônico. As marchinhas de carnaval ou as músicas da Carmem Miranda. As leituras que aguçam a curiosidade de perguntar "o que significa a palavra metáfora?", e a compreensão "ah, entendi". Mesmo que depois de dois minutos a memória recente não exista mais. O exercício de marcar na folhinha o dia da semana e do mês. As cores da roupa que sabia combinar. Os passeios constantes. Tudo é vivido com muita intensidade. Ano passado, no mês de abril, ela foi dama no casamento de uma neta. Minha filha, que chamou as duas avós para serem as damas no casamento, por iniciativa dela e do meu genro.


O curso de Neuropsicologia trouxe muita luz não só para a minha vida profissional, mas também porque usar o que tem importância para ela, tornou tudo muito mais fácil e prazeroso.


Por exemplo:

- A função do nervo Vago.

- O que é Neuroplasticidade Cerebral


O estudo sugerido pelo material da disciplina Neurociência explica:

“Os sinais neurais para a sua frequência cardíaca, respiração, digestão e outras funções corporais são transportados pelo nervo vago, que passa ao longo da parte superior do corpo terminando no cérebro. Muitas sensações físicas, como um estômago enjoado, músculos tensos, ou dores diversas, tem um componente emocional que seu cérebro pode identificar ou não.


O nervo vago é o CEO (o cara que manda no negócio) da calma. É o chefe do seu sistema nervoso parassimpático. O nervo vago tem a importante tarefa de acabar com a resposta de luta ou fuga do corpo em uma situação de estresse. É por isso que a estimulação do nervo vago é tão eficaz para o humor, e foi aprovado como um novo tratamento para a depressão. A estimulação do nervo vago também pode aliviar enxaquecas e extinguir rapidamente inflamações...”

Todo este estudo veio aprimorar também o meu dia a dia.


Em meu grupo de estudo em Terapia Breve, já falava para os meus colegas: "Recebam seus clientes de cabeça vazia! Vocês vão ajudá-los a ampliar as competências que eles já têm e que podem usar em seus próprios benefícios. Todos nós temos a solução de nossos conflitos."


Abaixo, vou ilustrar um pouco do que escrevi.


Léa Machado















Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
No tags yet.
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square